terça-feira, 5 de setembro de 2017

Iniciação ao pensamento científico: problematizações epistemológicas

Meus amores, abaixo o link que tem os textos de nossa disciplina

Lembrando que para a próxima aula quero o resumo de uma página, feito a mão dos capítulos I e II
do livro:

ALVES, Rubens. Filosofia da Ciência. Introdução ao jogo e suas regras. São Paulo: Editora Brasiliense, 1981

Guardem esse link, sempre vamos usá-lo:

https://drive.google.com/drive/folders/0Byb08gus94YNYlBwRjN4cHhZemc?usp=sharing

Abraços e bom feriado!

domingo, 21 de maio de 2017

apresentações trabalho

Gentes, abaixo os cronogramas das próxima aulas do curso e aqui, novamente, o link com os textos:

https://drive.google.com/drive/folders/0BxWfGiQMNFHdflUzX2FRa2dPREpmV2Etem1hMFozd1c2V3lyN3BZWTduVlRVX0t3M2ZmTUU?usp=sharing

22/05
Apresentação de seminário (teórico e prático)
Musicalidade afro-brasileira
Samba: o dono do corpo

Mauricio – Maracatu (Pernambuco)
Fernando e Avelino – Tintim (Guiné-Bissau)
“Os diversos sentidos da cultura popular e suas possibilidades de interpretação” – Pedro Abib (cap-livro)
 “A presença africana na música popular brasileira” – Nei Lopes
29/05
Aparecida e Lindinalva – Samba (Bahia)
Mamadu e Ibra Có - Balobas
“Samba, o dono do corpo” – Muniz Sodré
“A presença africana na música popular brasileira” – Nei Lopes
05/06
Apresentação de seminário (teórico e prático)
O “pé no chão” do Recôncavo

Lazaro – Toca-thcuro
Ruanderson – Aguidá (Valença)

“O Samba chula do Recôncavo baiano” – Katharina Doring
12/06
Apresentação de seminário (teórico e prático)
O “pé no chão” do Recôncavo
Entrega do ensaio
Exibição de vídeos
19/06


26/06


sexta-feira, 14 de abril de 2017

Cultura Afro-Brasileira

Plano de ensino Cultura Afro-brasileira
Elizia Ferreira

Quase todos os textos do curso (e muitos outros) já estão disponíveis aqui (falta apenas scannear os de Katharina Doring e Muniz Sodré)

03/04
Aula Inaugural – A Revolta dos Malês e seus lugares de representação na memória dos afro-brasileiros.

10/04
Matriz ou motriz cultural? Discussão acerca da condição filosófica da influência.
O conceito de “motrizes culturais” aplicado às praticas performativas Afro-brasileiras – Zeca Lligiero
17/04
Matriz ou motriz cultural? Discussão acerca da condição filosófica da influência.
O conceito de “motrizes culturais” aplicado às praticas performativas Afro-brasileiras – Zeca Lligiero
24/04
Aula aberta com Nzinga Mbandi Ngola sobre a congada

01/05
Feriado.

08/05
Conceito de cultura nas ciências sociais e o lugar da cultura afro-brasileira.
“Os diversos sentidos da cultura popular e suas possibilidades de interpretação” – Pedro Abib (cap-livro)
13/05
Visita ao terreiro Ilê Axé Omã

15/05
Apresentação de seminário (teórico e prático)
O português afro-brasileiro
“Os africanos e as falas africanas no Brasil” – Luis Felipe Alencastro
“O português do Brasil, uma intromissão nessa história
22/05
Apresentação de seminário (teórico e prático)
Musicalidade afro-brasileira
Samba: o dono do corpo
“Samba, o dono do corpo” – Muniz Sodré
“A presença africana na música popular brasileira” – Nei Lopes
29/05
Apresentação de seminário (teórico e prático)
Musicalidade afro-brasileira
Samba: o dono do corpo
“Samba, o dono do corpo” – Muniz Sodré
“A presença africana na música popular brasileira” – Nei Lopes
05/06
Apresentação de seminário (teórico e prático)
O “pé no chão” do Recôncavo
“O Samba chula do Recôncavo baiano” – Katharina Doring
12/06
Apresentação de seminário (teórico e prático)
O “pé no chão” do Recôncavo
Entrega do ensaio
Exibição de vídeos
19/06


26/06
Exames finais






Metodologia:
·         Aulas práticas e teóricas;
·         Aprendizado sensível: a ginga como possibilidade de ensino
·         Apresentação de seminário em grupo com participação de todos.

Avaliação:
A avaliação consistirá em seminários práticos e teóricos e a entrega de um ensaio. Para os seminários em grupos, os estudantes deverão escolher uma manifestação cultural que considerem afro-brasileira e apresentarem para a turma, essa apresentação deve ser preferencialmente prática, o grupo deverá trazer recursos áudio-visuais e também propor atividades para que a turma “experimente” a manifestação visada. Já o ensaio deverá ser escrito individualmente e deverá ser baseado num dos textos da disciplina, articulando com alguma das manifestações trabalhadas ou com outra de escolha d@ estudante.