quinta-feira, 15 de setembro de 2016

textos de Iniciação ao pensamento científico

Prezadxs,

o link anterior, não sei porque, dava acesso apenas ao livro do Rubem Alves, mas todos já estão aqui:
https://drive.google.com/drive/folders/0Byb08gus94YNYlBwRjN4cHhZemc?usp=sharing


Oficina: Antropologia teatral, Nudez e America Latina



É impossível pensar a criação artística nas artes cênicas hoje sem pensar na utilização do corpo como base da ação do ator. É impossível se distanciar das implicações políticas e estéticas neste ato.
Vivemos um momento de profundas transformações sociais, a evidência da transformação política que nos cerca, e sua importância, trouxe – talvez graças a presença intensa da internet e os novos meios de difusão de informação – a política para o centro da mesa, para o centro da roda e para o centro do corpo.
O arco simbólico que liga a importância da política que vislumbramos hoje e o corpo começou a tomar força nos anos 60, e agora é uma realidade que não permite separar os dois, o ator precisa tomar consciência das possibilidades do seu corpo, mas precisa também entender claramente dos dispositivos que o moldam na rua, nas instituições e nas relações sociais.
A Antropologia Teatral, surgida nos anos 60 com Odin Teatret, foi por muito tempo o condutor do pensamento corporal/político do teatro de grupo, e teve muita influência na América Latina. Somos herdeiros dessa influência. Mas como bons praticantes da antropofagia, “comemos a proposta do grupo Dinamarquês/Italiano/Polonês para dentro de nosso corpo social/carnal/simbólico e poético para transformar em práticas que mais nos apetecem para nosso tempo, nosso lugar e nossa história.
O trabalho que o grupo peruano Yuyachikani desenvolveu e ainda desenvolve representa muito bem as ligações entre o legado do pensamento da antropologia teatral e a transformação deste pensamento na busca de um teatro política e esteticamente vinculado à América Latina.
Partindo deste contexto, a proposta prática seria explorar aspectos pessoais e políticos, partindo de experiências ainda latentes no corpo dos participantes. Para isso o resgate de memórias através de textos, imagens e memórias.
A proposta deste encontro pode se desenvolver tanto na prática, com exercícios cênicos, como através de um debate, ou ainda, contemplar as duas metodologias.

Oficina ministrada por Lara Matos (Atriz, produtora do grupo Experiência Subterrânea, doutoranda em Teatro pelo PPGT- Udesc

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Iniciação ao pensamento científico - 2016-1

Querid@s, bom dia!

Abaixo segue o cronograma de nosso curso e neste link aqui vocês podem ter acesso a todos os textos.

Lembrando que para a próxima aula, vocês devem fazer o resumo dos dois primeiros capítulos do texto "Filosofia da ciência. Introdução ao jogo e suas regras" de Rubem Alves.

DATA
TEMA
REFERÊNCIAS
05/09
Aula inaugural

12/09
Apresentação do plano de curso

19/09
Unidade 1
Senso comum e ciência – problematização de conceitos

Leitura: capítulos I e II do texto ao lado

Tarefa: resumo de uma página do texto *

ALVES, Rubens. Filosofia da Ciência. Introdução ao jogo e suas regras. São Paulo: Editora Brasiliense, 1981

26/09
Unidade 2
A natureza do conhecimento no pensamento grego. Discussão da noção de epistheme em Platão.

Leitura: livros V e VI da República

PLATÃO. A República
03/10
Unidade 2
A natureza do conhecimento no pensamento grego. Discussão da noção de epistheme em Platão.

Leitura: livros V e VI da República

Tarefa: resumo de uma página do texto *
PLATÃO. A República
10/10
Unidade 3
A modernidade e a ideia de uma ciência universal. Empirismo versus Racionalismo

Leitura: partes I e II do texto
DESCARTES, R. Discurso do método.
17/10
Unidade 3
A modernidade e a ideia de uma ciência universal. Empirismo versus Racionalismo

Leitura: partes I e II do texto
Tarefa: resumo de uma página do texto *

24/10
Unidade 4
A estrutura das revoluções científicas

Leitura: capítulos a definir
KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2006.
31/10
Unidade 4
A estrutura das revoluções científicas

Leitura: KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2006.

Tarefa: resumo de uma página do texto *
KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2006.
07/11
Unidade 5
O lugar das humanidades na produção do conhecimento. Bruno Latour e a vida no laboratório.

Leitura: capítulos a definir
Tarefa: resumo de uma página do texto *
LATOUR, Bruno. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Tradução Ramalho Vianna. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997
14/11
Véspera feriado

21/11
Unidade 6
A barreira científica e a representação do outro.

Leitura: capítulos a definir
Tarefa: resumo de uma página do texto *
SAID, Edward. “A geografia imaginativa e suas representações: Orientalizando o oriental.” In: In: ___. Orientalismo. O oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. pp.85-113.
28/11
Apresentação de seminários

05/12
Apresentação de seminários

12/12
Apresentação de seminários

19/12
Prova final

09/12
Entrega dos trabalhos de recuperação